Estilo de vida

A ASCENSÃO SENTIDA E HUMILDE DE LYN LAPID PARA O SUCESSO: UMA CONVERSA EXCLUSIVA DA CABEÇA DE 88RISING NAS NUVENS

Palavras / Jennalynn Fung

Fotos / Michelle Si

É uma história clássica reimaginada dentro de parâmetros modernos: um sonhador que, contra todos os avisos, desafia as regras – e que, através de provações e tribulações, triunfa.

Porém, é raro que o catalisador do sucesso seja algo tão mundano como uma acapella que atinge a viralidade imediata do TikTok. Lyn Lapid, no entanto, é esse tipo de sonhadora rara.

Aos 21 anos, a cantora e compositora filipina vinda das cidades de Baltimore e Columbia, em Maryland, se apresentou no festival 88rising's Head in the Clouds de 2024, no Queens, Nova York, para uma multidão cheia de fãs apaixonados. Mas ela foi descoberta pelas massas quando lançou um pequeno clipe dela cantando sobre uma situação muito comum – um produtor a procurou e a pressionou a assinar contratos. O TikTok, completo com uma voz angelical, revirar os olhos apropriados, uma legenda mordaz e socos, pegou fogo online, chamando a atenção do produtor Dan Nigro.

Com apenas 17 anos na época, seu domínio na elaboração de letras cativantes enquanto examinava a exploração na indústria musical lhe rendeu um contrato com a Republic Records. É a mesma verdade não filtrada e a honestidade casual no lirismo que transformou Lapid em uma estrela entre a Geração Z e os músicos asiáticos; ela aclamada amar no século 21 O EP é sobre uma situação – detalhando seu primeiro encontro na música “propaganda”, os dias que passaram juntos em “do u realmente” com Ruth B., e a decepção do que poderia ter sido em músicas como “ok com isso” e “poderia ter sido você” de seu luxo. Embora a situação tenha trazido a ela um EP altamente aguardado, Lapid me disse que, se pudesse, evitaria totalmente as situações.

Sua reputação vai além da caneta e do papel; na primeira apresentação de Lapid no Head in the Clouds no ano passado em Los Angeles, houve uma dificuldade técnica que a levou a voltar a como tudo começou – uma apresentação acústica, desta vez de sua música “East Side”. Este momento distinguiu os vocais de Lapid e, no verdadeiro estilo Lapid, se tornou viral em todas as plataformas de mídia social (de novo).

Como se a jovem artista não tivesse poder suficiente com sua voz desarmante, ela tem um talento especial para criar vídeos e TikToks engraçados e que agradam ao público. Em um deles, Lapid fingiu ser uma entrevistadora de rua e perguntou a suas amigas o que elas achavam de sua música “cruise control”, ao que uma amiga respondeu brincando: “Adoro a confiança! Não saia do seu trabalho diário.

Em outro TikTok, ela fala para a câmera como se fosse sua amiga mais próxima, solicitando que a internet encontrasse o garoto misterioso que sentou ao lado dela no voo para Tucson – só para que ela descobrisse que livro ele estava lendo. Em outra, ela mostra seus amigos recrutando pessoas para assistir ao seu show por meio de aplicativos de namoro.

Não é só no Hinge que a cantora sabe se promover. No início de sua carreira, ela era conhecida como Katelyn Lapid, mas depois mudou para Lyn Lapid por causa de seu amor pela aliteração. Mas sua escolha de usar algo tão próximo de seu nome de nascimento, ao mesmo tempo em que o altera para sair da língua, demonstra seu compromisso em ser ela mesma no palco e, ao mesmo tempo, apresentar uma performance inesquecível. Simplificando, ela nasceu para ser musicista.

Muitas coisas sobre a arte de Lapid parecem remontar ao início. Nos últimos anos, ela tem sido uma artista dual – ou seja, ela divide seu tempo entre Los Angeles e Maryland. Ela disse à Atwood Magazine que “voltar para casa mantém [her] grounded” e que era um ponto crucial para sua música. Se ela ficasse em Los Angeles por muito tempo, sentia que estava perdendo a si mesma, suas raízes e seus valores. Só recentemente ela saiu de Maryland, mas menciona que sempre tenta voltar, porque “a Costa Leste é o seu lar”.

Antes de sua carreira como cantora, Lapid estudou violino por dez anos. Ela mencionou que um de seus maiores arrependimentos depois de terminar a escola foi desistir do violino, mas não esqueceu o que ouvia. Sua música ainda lembra as faixas clássicas que a inspiraram quando era mais jovem; “como você quer que eu faça”, por exemplo, amostras do “Concerto para piano nº 2 em dó menor” de Rachmaninov.

Seu novo álbum tlit21c como projeto fala muito sobre o tipo de pessoa que Lyn Lapid é – ela e o álbum são repletos de vulnerabilidade destemida e narrativa impecável. O curta-metragem que acompanha deu vida às histórias de Lapid, e ainda escalou alguns de seus amigos mais próximos, trazendo uma simpatia e conforto genuínos para toda a produção. Tlit21c foi uma reflexão comovente sobre a experiência de Lapid por ser jovem e aparentemente apaixonado, e escrevê-lo ajudou a curá-la. “Okay With It” foi a última faixa do EP original, mas “could've have been you” foi o último lançamento da versão deluxe – ambas vieram de uma posição de aceitação de como as coisas, apesar de suas esperanças, aconteceram.

“Tento ser o mais compreensível possível, mesmo com músicas superpessoais e vulneráveis”, Lapid me diz com confiança. “Acho que é assim que me conecto com meu público – consigo abordar essas situações muito pessoais. Acho que foi assim que fiquei superconectado com minha base de fãs agora.”

O lançamento do EP e sua subsequente turnê nacional esgotada também lhe ensinaram sobre seu próprio corpo. Ela aprendeu muito sobre o que seu corpo também pode suportar e como é importante fazer uma pausa. “Eu costumava ter uma mentalidade pouco saudável, onde se não estivesse trabalhando ou sendo produtivo, estaria perdendo meu tempo.” Mas ela aprendeu por tentativa e erro que o descanso e a recuperação andam de mãos dadas e que, mesmo nas sessões de escrita, é importante dar um tempo.

Ironicamente, no primeiro dia do festival Head in the Clouds, Lapid deu várias entrevistas. Quando a conheci, ela parecia cansada – perguntei se ela estava bem, ao que ela sorriu sinceramente e afirmou que estava bem.

Durante nossa entrevista, pude reconhecer imediatamente a suavidade conquistada com muito esforço pela cantora – ela passou por muita coisa, mas ainda mostra sua melhor cara. Ela se senta educadamente, com as mãos no colo e as pernas cruzadas, com os ombros levemente curvados, como se estivesse tentando ocupar menos espaço. O jeito que ela fala é leve e delicado, mesmo estando doente e tendo acabado de viajar de um lado a outro do país. Suas respostas são honestas e apropriadamente entusiasmadas. Seu tempo e comportamento envolvente ao falar com a imprensa e os fãs, apesar do frio, mostraram o quanto ela estava grata pela oportunidade de fazer música.

Lapid revela que está trabalhando em seu álbum de estreia, inspirando-se nos músicos ao seu redor. Embora seja estressante devido aos prazos, Lapid declara que está entusiasmada com a novidade. “Eu sinto que sempre que começo novos projetos e tudo mais, eu meio que faço um giro de 180° com meu som. Eu tento coisas novas com certeza, e todas as coisas que venho fazendo são diferentes do que lancei no passado. Percebi que adoro fazer R&B – ‘na minha mente’ estava naquele espaço.” Ela também divulga que este álbum tem componentes de jazz, inspirado tanto em artistas clássicos como Ella Fitzgerald quanto em artistas novos como Laufey.

Seu próximo single está previsto para ser lançado em 17 de maio de 2024 e é uma colaboração com Mxmtoon chamada “Back From the Dead”. A música é sobre uma pessoa que envia mensagens para ela do nada depois de um tempo separados – mas Lapid tenta entender seus motivos para retornar e escreve de forma pungente sobre como eles cresceram desde a separação.

A letra de “Back From the Dead” foi escrita há um ano, produzida com Adam Yaron e Russ Chell, mas ela a retirou dos rascunhos de Mxmtoon. É um momento de círculo completo – Lapid compareceu ao seu primeiro festival Head in the Clouds porque Mxmtoon fazia parte da programação. Agora, um ano depois, ela mesma está na programação e trabalhando com Mxmtoon, uma artista que ela considera profundamente inspiradora.

Em apenas alguns anos, Lapid realizou exatamente o que sonhava. O próximo passo? “Eu só quero poder continuar fazendo música, me apresentando, saindo em turnê e tudo mais; todas essas coisas que ainda amo fazer e adorarei fazer para sempre no futuro.”

INSTAGRAM | SPOTIFICAR



Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button