News

Jordan King pede cessar-fogo “duradouro” em Gaza nas negociações com Biden

O rei Abdullah II da Jordânia apelou a um cessar-fogo total para pôr fim à guerra em Gaza.

Washington:

O rei Abdullah II da Jordânia apelou a um cessar-fogo total para pôr fim à guerra em Gaza após conversações com Joe Biden, emitindo uma nota discordante com o presidente dos EUA, que procura uma pausa mais curta de seis semanas para dar tempo a Israel para derrotar o Hamas.

Falando na Casa Branca, os dois líderes alertaram, no entanto, contra qualquer incursão terrestre indiscriminada de Israel na cidade de Rafah, no sul de Gaza, onde mais de um milhão de palestinos estão encurralados.

“Não podemos permitir-nos um ataque israelita a Rafah. É certo que produzirá outra catástrofe humanitária”, disse o monarca jordano, subindo ao púlpito depois de Biden ter falado primeiro.

“Não podemos ficar parados e deixar que isto continue. Precisamos de um cessar-fogo duradouro agora – esta guerra tem de acabar”, acrescentou Abdullah, que tem repetidamente pressionado por uma trégua total para pôr fim ao conflito que começou quando o Hamas atacou Israel em 7 de Outubro.

Os Estados Unidos irritaram alguns aliados do Médio Oriente ao recusarem consistentemente apelar a um cessar-fogo total, com Washington a dizer que apoia o esforço de Israel para derrotar o Hamas, e a apelar, em vez disso, a pausas mais curtas nos acordos de reféns.

Mas Biden, que busca a reeleição em novembro, começou a adotar uma postura mais dura com Israel em relação às vítimas civis, dizendo na semana passada que a ofensiva de Israel era “exagerada”.

“Os Estados Unidos estão a trabalhar num acordo de reféns entre Israel e o Hamas, que traria um período de calma mediado e sustentado a Gaza durante pelo menos seis semanas”, disse Biden, acrescentando que elementos-chave estavam em vigor, mas “lacunas” permaneciam.

As partes em conflito poderiam então “aproveitar o tempo para construir algo mais duradouro”.

Biden também disse que os civis abrigados em Rafah, na fronteira egípcia, “precisam ser protegidos” enquanto Israel considera uma incursão terrestre.

Foi o primeiro encontro presencial de Biden e Abdullah desde o ataque de 7 de outubro, com o presidente dos EUA saudando o seu colega chefe de Estado como um ator-chave num turbulento Médio Oriente.

– Região volátil –

Ladeados pelas bandeiras dos EUA e da Jordânia, Biden e o rei já haviam se abraçado quando se encontraram nos degraus da frente da Casa Branca, acompanhados pela primeira-dama Jill Biden, pela rainha Rania e pelo príncipe herdeiro da Jordânia, Hussein.

Biden brincou durante a cerimônia de chegada que “todo mundo faz” quando questionado se Benjamin Netanyahu estava seguindo seu conselho para evitar uma ofensiva em Rafah.

Os dois líderes também discutiram os esforços para garantir que o conflito não se espalhe por uma região volátil.

Três soldados dos EUA foram mortos num ataque de drones a uma base na Jordânia, em Janeiro, desencadeando ataques aéreos americanos contra grupos militantes apoiados pelo Irão no Iraque e na Síria.

Washington é a primeira parada de uma viagem do rei jordaniano que também passará pelo Canadá, França e Alemanha, em meio aos crescentes esforços internacionais para um acordo para interromper os combates em Gaza e libertar os reféns detidos lá pelo Hamas.

A guerra mais sangrenta de sempre em Gaza eclodiu depois de o Hamas ter lançado um ataque sem precedentes ao sul de Israel, que resultou na morte de cerca de 1.160 pessoas, a maioria civis, segundo um balanço da AFP baseado em números oficiais israelitas.

Israel respondeu com um bombardeio implacável e uma ofensiva terrestre em Gaza que, segundo o Ministério da Saúde do território palestino, administrado pelo Hamas, matou pelo menos 28.340 pessoas, a maioria mulheres e crianças.

Biden referiu-se na segunda-feira, nomeadamente, ao facto de haver “mais de 27.000 palestinos mortos”, aparentemente aceitando o número de palestinos, tendo-o questionado em outubro, e disse que “demasiados” eram crianças.

Biden deveria viajar para a Jordânia para conversações com Abdullah quando visitou Israel menos de duas semanas após o ataque inicial no ano passado, mas a reunião foi cancelada depois que uma explosão em um hospital de Gaza causou raiva em todo o mundo árabe.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, encontrou-se com Abdullah em Amã, em janeiro. O monarca jordano instou o principal diplomata a pressionar por um cessar-fogo em Gaza e pôr fim à crise humanitária ali.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button