News

Israel cometeu crimes de guerra em Rafah, a cidade mais ao sul de Gaza?

A Amnistia Internacional alerta que Israel já violou o direito internacional em Rafah em quatro ataques desde Dezembro.

Pelo menos 95 pessoas, incluindo 42 crianças, foram mortas em quatro ataques perpetrados pelas forças israelitas na cidade de Rafah, no extremo sul de Gaza, segundo a Amnistia Internacional. As vítimas incluem uma menina recém-nascida que era tão jovem que o seu nascimento nem sequer tinha sido registado, disse a organização de direitos humanos.

Até agora, registaram-se quatro ataques à cidade, iniciados em Dezembro, após uma pausa humanitária de uma semana para permitir a passagem de ajuda e a libertação de reféns e prisioneiros.

As autoridades israelenses disseram que os ataques são justificados porque agentes do Hamas estão escondidos na cidade. Israel tem afirmado repetidamente que faz tudo o que pode para evitar vítimas civis, apesar de o número de mortos em Gaza ter ultrapassado os 28.000 em apenas quatro meses, com muitos milhares de outros perdidos sob os escombros e considerados mortos.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, alertou Israel contra a realização de ataques militares à custa de vidas de civis. Encontrou-se com o rei Abdullah da Jordânia na Casa Branca na segunda-feira e declarou: “Uma grande operação militar em Rafah não deveria prosseguir sem um plano credível para garantir a segurança e o apoio de mais de um milhão de pessoas ali abrigadas”.

Cronologia dos ataques

  • 12 de dezembro: O ataque a duas casas pertencentes à família Harb no distrito de al-Zuhour matou 25 civis, incluindo 10 crianças.
  • 14 de dezembro: O ataque à casa do Dr. Abdallah Shehada, no distrito do Brasil, matou 30 pessoas, incluindo 11 crianças.
  • 19 de dezembro: O ataque à casa da família Zu'rub, no oeste de Rafah, matou 22 pessoas, incluindo 11 crianças.
  • 9 de janeiro: O ataque à casa da família Nofa, no distrito de Tal as-Sultan, matou 18 pessoas, incluindo 10 crianças.

O que mostra o relatório da Amnistia Internacional?

A sua investigação sobre as acções de Israel em Gaza está em curso, mas o último relatório da Amnistia Internacional mostra evidências de possíveis crimes de guerra em Rafah.

A sua diretora sénior de investigação, defesa, políticas e campanhas, Erika Guevara Rosas, afirmou: “Famílias inteiras foram exterminadas em ataques israelitas, mesmo depois de terem procurado refúgio em áreas promovidas como seguras”.

Fotografias, gravações de vídeo e imagens de satélite foram tiradas de todos os quatro locais de ataque pela Amnistia para verificar a destruição. A organização também entrevistou 18 pessoas – 14 sobreviventes e quatro socorristas.

Esta investigação não encontrou alvos militares legítimos que justificassem um ataque desta escala, afirmou.

A Amnistia afirmou ter enviado perguntas sobre os ataques às autoridades israelitas em 19 e 30 de janeiro, mas não recebeu resposta.

Palestinos sentam-se nos escombros de um bombardeio israelense em Rafah em 12 de fevereiro de 2024 [Hatem Ali/AP]

Israel já realizou ataques a Rafah antes?

Sim. Em agosto de 2014, Israel realizou um ataque aéreo e terrestre de quatro dias à cidade, no qual 135 civis, incluindo 75 crianças, foram mortos. A Amnistia Internacional disse que Israel também violou o direito internacional nessa altura.

Esse ataque foi lançado em resposta à captura e presumível assassinato de um soldado israelita, o tenente Hadar Goldin, que foi declarado morto em 2 de Agosto.

Em 2015, a Amnistia Internacional e a unidade de jornalismo investigativo, Forensic Architecture, divulgaram um relatório intitulado Black Friday: Carnificina em Rafah durante o conflito Israel/Gaza de 2014. O diretor da Amnistia Internacional para o Médio Oriente e Norte de África, Philip Luther, declarou na altura: “Há fortes evidências de que as forças israelitas cometeram crimes de guerra no seu bombardeamento implacável e massivo de áreas residenciais de Rafah, a fim de impedir a captura do Tenente Hadar Goldin, demonstrando um desrespeito chocante pelas vidas de civis.”

Na sua declaração, a Amnistia Internacional apelou à comunidade internacional para apoiar o papel do Tribunal Penal Internacional (TPI) na análise das alegações de crimes de guerra “incluindo os documentados neste relatório”.

Acrescentou: “Todos os Estados devem opor-se a medidas punitivas contra a Palestina por aderir ao Tribunal Penal Internacional ou por submeter informações sobre violações israelitas ao Tribunal ou por tomar outras medidas para ativar mecanismos de justiça internacional.”

Estará Israel a tentar evitar mortes de civis como afirma?

Apesar do Tribunal Internacional de Justiça (CIJ), em 22 de Janeiro, ter ordenado a Israel que cumprisse a Convenção sobre o Genocídio de 1948, a taxa de vítimas civis em Gaza não diminuiu.

A comunidade internacional continua a pressionar Israel para limitar ou evitar vítimas civis. O aliado mais leal de Israel, os EUA, também aconselhou cautela.

Matthew Miller, porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, disse: “Não apoiamos qualquer campanha militar em Rafah enquanto não puderem contabilizar adequadamente os 1,1 milhão de pessoas, segundo algumas estimativas, que estão em Rafah hoje, alguns dos quais que já foram deslocados, alguns dos quais foram deslocados várias vezes.”

As autoridades egípcias também deixaram claro que as vítimas civis deveriam ser evitadas a todo custo.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button