News

Fato ou ficção? Plano de evacuação de Israel para os palestinos em Rafah

No domingo, antes de uma planeada invasão israelita de Rafah, o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, deu uma entrevista à ABC, um canal de televisão dos Estados Unidos. Ele abordou as advertências de autoridades ocidentais, incluindo norte-americanas, de que isso resultaria num elevado número de mortes de civis.

“Faremos isso ao mesmo tempo que proporcionamos passagem segura à população civil para que possam partir”, disse Netanyahu.

Questionado pelo anfitrião Jonathan Karl sobre onde deveriam ir 1,4 milhão de palestinos, ele respondeu: “As áreas que limpamos ao norte de Rafah, há muitas áreas lá, mas estamos elaborando um plano detalhado para fazê-lo”.

Netanyahu não parecia convencido com suas próprias palavras.

Um dia antes, o porta-voz do governo israelense, Eylon Levy, falou à rádio LBC, com sede em Londres, e também pareceu pouco convincente. Quando questionado quatro vezes pelo anfitrião Matt Frei sobre onde os palestinos em Rafah deveriam ir, Levy não conseguiu responder. Tudo o que conseguiu reunir foi: “Bem, existem áreas abertas na Faixa de Gaza. E uma opção é as agências da ONU trabalharem em conjunto connosco na evacuação de civis para áreas abertas.” A questão de onde ficam essas áreas abertas permaneceu sem resposta.

A razão pela qual Netanyahu e Levy não conseguem responder a uma simples pergunta é porque ambos sabem que o exército israelita não pretende proteger os palestinianos, como não fez até agora. Eles sabem que nenhum lugar foi seguro para os palestinos e nenhum lugar será seguro para eles quando a invasão de Rafah começar. Eles também sabem que, em última análise, Israel pretende expulsar os palestinianos de Gaza, e não mantê-los lá.

Nenhum lugar seguro em Gaza

Desde o início desta guerra israelita em Gaza, o governo israelita aumentou a aposta na desinformação. Em nenhum lugar isto foi mais evidente do que nas alegações de que o exército israelita está a criar “passagens seguras” para o povo de Gaza ou está a tentar protegê-lo.

Os últimos quatro meses mortais fornecem muitas evidências.

Primeiro, Israel disse ao povo de Gaza que o sul estaria seguro. Quando começaram a evacuar, foram bombardeados no caminho em seus comboios civis. Eles também foram bombardeados quando chegaram. Quando os civis não eram bombardeados em “rotas de evacuação seguras”, eram alvejados por franco-atiradores ou detidos e desapareciam à força.

Quando o exército israelita invadiu a anterior “zona segura” de Khan Younis, disse aos civis para fique aqui em hospitais e abrigos. Seus atiradores atiraram em pessoas que tentavam chegar a hospitais e abrigos e depois os bombardearam.

Quando o exército israelita disse aos palestinianos para abandonarem Khan Younis, atacou-os enquanto fugiam.

Alguns palestinianos conseguiram chegar a Rafah, outra “zona segura”, apenas para serem informados de que já não é segura. Agora as pessoas estão sendo instruídas a fugir de Rafah para “áreas abertas”. Outras “áreas abertas”, como Mawasi, para onde as pessoas eram previamente instruídas a ir, foram repetidamente alvo de ataques.

Ao longo deste processo de dizer às pessoas para evacuarem apenas para matá-las, o exército e o governo israelitas continuaram a fazer anúncios em inglês e a conceder entrevistas aos meios de comunicação ocidentais, alegando que estavam a tomar medidas para “proteger os civis”. Quer se tratasse de “rotas de evacuação” inseguras ou de “mapas de evacuação” confusos, eles fizeram o que puderam para encobrir a verdade de que não existem locais seguros em Gaza.

Continuaram a propagar a mentira mesmo depois de agências das Nações Unidas e organizações internacionais – como a Save the Children, Médicos Sem Fronteiras (Médicos Sem Fronteiras, ou MSF), Amnistia Internacional, etc. – terem concordado que não existe lugar seguro em Gaza.

Até mesmo os meios de comunicação ocidentais – incluindo a The New Yorker, a revista Time e a Deutsche Welle – começaram a ver através da desinformação israelita e relataram a realidade de que não há lugar seguro em Gaza.

Deveríamos confiar agora no mesmo exército que matou mais de 28 mil palestinos e destruiu ou danificou mais de 60% das casas em Gaza para oferecer “passagem segura”?

O Hamas de Schrödinger

No passado, tal como nesta guerra, Israel atribuiu repetidamente a culpa pelas mortes de civis ao Hamas e a outros grupos armados palestinianos. Afirmou repetidamente que os combatentes palestinos e os seus comandantes usam a população civil como “escudos humanos”.

Mas estas afirmações não coincidem com os dados que os próprios militares israelitas divulgaram. Em Janeiro, Israel afirmou ter matado 10.000 combatentes palestinianos (9.000 em Gaza e 1.000 dentro de Israel), ferido 8.000, detido 2.300 e eliminado dois terços dos regimentos do Hamas. Também disse que “atingiu” 30 mil alvos em Gaza.

Se o exército israelita – o mais moral do mundo, segundo a sua própria avaliação – “atacar” apenas alvos militares, poderíamos pensar que pelo menos 30.000 combatentes teriam sido mortos ou feridos.

E se seguirmos a afirmação de Netanyahu de que por cada civil palestiniano morto, um combatente palestiniano foi eliminado, então obtemos um número de mortos que a inteligência israelita rejeitaria. (Este último aparentemente tem utilizado internamente os números do Ministério da Saúde de Gaza, que o governo israelita repetidamente questionou.)

Por outras palavras, os dados do exército israelita confirmam que está a atingir alvos civis e Netanyahu está a mentir sobre a proporção de mortes entre civis e militares em Gaza.

Mas há outra contradição na narrativa oficial israelita que estes dados são reveladores.

O Hamas, segundo estimativas israelenses, tinha pelo menos 30 mil combatentes antes da guerra. Se acreditarmos que o exército israelita afirma que libertou o Hamas das áreas que invadiu na Faixa de Gaza e que Rafah é o “último reduto do Hamas”, isso significa que pelo menos 10.000 estavam em Rafah em Janeiro, quando os palestinianos ainda estavam a ser perseguidos. disse que esta cidade era uma zona segura.

Se, como Israel gosta de afirmar, o Hamas utiliza escudos humanos, então Israel está simplesmente a admitir que está a empurrar a população civil para áreas onde serão alvos porque o Hamas está lá.

Acontece que, nesta guerra contra a realidade, Israel pode simultaneamente dizer que está a evacuar civis para locais seguros e ao mesmo tempo dizer que o Hamas os utiliza como escudos humanos. De alguma forma, o Hamas está em todo o lado e em lado nenhum ao mesmo tempo.

Por trás destas mentiras está a fórmula para a verdade real pela qual Israel opera: para onde vai o Hamas, vão os civis, para onde vão os civis, vai o Hamas. Para derrotar o Hamas, temos também de remover os civis.

'Nakba é segurança'

Não é segredo que o governo israelita tem planeado e feito lobby para que os palestinianos sejam expulsos para a Península do Sinai. Já no final de Outubro, surgiu um documento do Ministério da Inteligência de Israel no qual estava claramente delineada a deportação da população palestiniana de Gaza para território egípcio.

Netanyahu foi rápido a rejeitar o documento como um “documento conceptual” e a minimizar o seu conteúdo. Mas é preciso perguntar o que ele estava pensando quando tropeçou nas palavras “muitas áreas” na entrevista à ABC. Poderiam ser os planos imobiliários que estão a ser elaborados para o desenvolvimento de novos colonatos judaicos na eviscerada Gaza ou a conferência em que os seus ministros participaram apelando à reinstalação israelita da faixa?

Nos últimos quatro meses, mais de dois milhões de palestinianos foram espremidos cada vez mais a sul, perto do Egipto. Entretanto, a retórica de “segurança” e “evacuação” do exército e do governo israelita serviu como uma cobertura conveniente para o rumo que esta situação está a tomar.

As ordens de evacuação de Israel foram uma actuação da comunidade internacional para tentar demonstrar que Israel está a cumprir as suas obrigações ao abrigo do direito internacional.

O mesmo se aplica aos seus mapas de evacuação, aos lançamentos de folhetos, aos ataques de “precisão”, às “zonas seguras”. Tudo isto faz parte das “tecnologias de genocídio” concebidas para tornar outra Nakba mais fácil para Israel e mais palatável para os aliados de Israel e para a comunidade internacional.

Na verdade, fazem parte da fachada que ajuda o Presidente dos EUA, Joe Biden, a banalizar a campanha genocida de Israel como “um pouco exagerada”.

Na guerra contra a realidade, a verdade é vítima da ideologia política e a desinformação entra em conflito com outras formas de desinformação.

“Guerra é paz. Liberdade é escravidão. Ignorância é força.” Acrescente a esta citação do clássico 1984 de George Orwell, “Nakba é segurança”, pois essa é a realidade que foi imposta aos palestinianos em Gaza.

As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não refletem necessariamente a posição editorial da Al Jazeera.



Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button