News

Explicado: De Artemis a Apollo, por que os EUA estão apostando tanto no espaço privado

Para o bem ou para o mal, a América está presa ao seu novo paradigma público-privado.

Washington:

Uma empresa privada com sede em Houston deve liderar esta semana uma missão à Lua que, se for bem-sucedida, marcará o primeiro pouso lunar da América desde o fim da era Apollo, há cinco décadas. A reputação estará em jogo quando a nave espacial Nova-C da Intuitive Machines for lançada no topo de um foguete SpaceX na quarta-feira, após recentes pousos concluídos pela China, Índia e Japão.

Então, porquê confiar tais tarefas ao sector comercial, especialmente depois de uma tentativa de outra empresa com objectivos semelhantes, a Astrobotic, ter falhado no mês passado?

A resposta está na forma como a NASA se reorganizou fundamentalmente para o Artemis, o principal programa Lua-Marte da agência.

Durante a Guerra Fria, a agência espacial recebeu cheques em branco e geriu contratos industriais até ao último parafuso – mas o novo paradigma aposta na poderosa economia de mercado da América para produzir avanços a uma fracção dos custos históricos.

Embora a abordagem actual tenha dado alguns frutos, também acarreta o risco de os Estados Unidos ficarem atrás do seu principal rival espacial, a China, na concretização de marcos importantes – nomeadamente a próxima missão tripulada à Lua e a recolha das primeiras rochas de Marte. .

Sucesso da SpaceX

O foco em empresas iniciantes sob a iniciativa Commercial Lunar Payload Services (CLPS) da NASA baseia-se no exemplo dado pela ascensão meteórica da SpaceX, que foi ridicularizada em sua fase inicial como imprudente, mas agora é indiscutivelmente o contratante favorito da agência.

Scott Pace, ex-membro do Conselho Espacial Nacional, disse à AFP que a NASA adotou intencionalmente uma política que priorizava “mais chutes a gol” a custos mais baixos.

“A confiabilidade que a SpaceX tem agora é o resultado da dolorosa explosão de vários foguetes ao longo do caminho”, disse ele.

Os lançamentos da SpaceX são atualmente a única forma de lançamento dos astronautas a partir de solo americano, após o fim do programa de ônibus espaciais liderado pela NASA em 2011, que deixou a NASA dependente dos foguetes Soyuz da Rússia.

A empresa de Elon Musk venceu a gigante aeroespacial Boeing ao certificar primeiro o seu sistema, provando aos especialistas o valor da concorrência entre empresas que oferecem diferentes opções.

Cada lançamento de ônibus espacial custou mais de US$ 2 bilhões, ajustado pela inflação, de acordo com um estudo publicado na revista Nature, enquanto o custo médio estimado para a NASA comprar um assento em um voo da SpaceX é de cerca de US$ 55 milhões, de acordo com uma auditoria do governo.

Para Ártemis

Durante a era Apollo, a NASA recebeu mais de 300 mil milhões de dólares, de acordo com uma análise de Casey Dreier, da organização sem fins lucrativos Planetary Society – muito mais do que os 93 mil milhões de dólares a serem gastos até 2025 com Artemis.

Em vez de dizer exactamente à indústria privada o que construir, a agência compra agora serviços a empresas – embora esta abordagem, por vezes fragmentada, acarrete alguns inconvenientes.

Embora a NASA possua o foguete gigante do Sistema de Lançamento Espacial (SLS) e a cápsula da tripulação Orion, ela contratou com a SpaceX um sistema de pouso não convencional e ainda não comprovado baseado no foguete Starship de próxima geração da empresa, para fornecer o primeiro pouso lunar tripulado.

A nave estelar ainda não completou um teste de voo sem explodir – e requer reabastecimento ultrafrio várias vezes enquanto está em órbita antes de viajar para a Lua, independentemente do SLS, para atracar na Orion e recolher os astronautas.

Depósitos futuristas de combustível espacial poderiam ser uma excelente forma de facilitar missões de longo alcance a Marte – o ideal fundador da SpaceX, que Musk persegue com fervor messiânico – mas acertar poderia muito bem atrasar o regresso das botas americanas à Lua.

A NASA disse que isso poderia acontecer no mínimo até 2026, embora esse cronograma ameace se arrastar. A China, entretanto, estabeleceu o prazo de 2030 para a sua aterragem tripulada – e ultimamente manteve as suas promessas.

Os chineses “não realizam todas as travessuras que os EUA têm, que é uma polarização extrema seguida de ameaças de paralisação do governo, seguidas de resoluções contínuas”, disse à AFP G. Scott Hubbard, ex-alto funcionário da NASA.

Para o bem ou para o mal, a América está presa ao seu novo paradigma público-privado.

O Artemis foi intencionalmente concebido com uma série de parcerias internacionais – Europa, Canadá, Japão, Emirados Árabes Unidos e muito mais – para evitar que fosse desmantelado, disse Dreier.

Além disso, um programa anterior da Lua a Marte chamado Constellation, concebido na década de 2000 e gerido mais como o Apollo, foi cancelado, em grande parte devido a restrições orçamentais, pelo que há poucas alternativas realistas.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button