News

Israel retira negociadores do Mossad do Catar após ‘impasse’ sobre prisioneiros

Israel retirou os negociadores da Mossad do Qatar, que, juntamente com o Egipto e os Estados Unidos, está a mediar conversações para garantir uma nova pausa na guerra Israel-Hamas.

“Após o impasse nas negociações e sob a direção do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, David Barnea, chefe do Mossad, ordenou que sua equipe em Doha retornasse a Israel”, disse o gabinete de Netanyahu em comunicado no sábado.

A declaração acusou o Hamas de não cumprir a sua parte no acordo para prolongar a trégua em Gaza. O acordo incluía a libertação de todas as mulheres e crianças detidas em Gaza, de acordo com uma lista transmitida ao Hamas e acordada, disse o comunicado.

Horas depois, o Hamas disse que não haverá mais troca de prisioneiros com Israel até que a guerra em Gaza termine.

“A nossa posição oficial é que não haverá mais troca de prisioneiros até que a guerra termine”, disse o vice-chefe do grupo, Saleh al-Arouri, à Al Jazeera.

“Os prisioneiros israelenses não serão libertados até que [Palestinian] os prisioneiros são libertados e depois que um cessar-fogo entra em vigor.”

“O que nos resta dos prisioneiros israelenses são soldados e civis servindo no exército”, acrescentou.

O responsável do Hamas disse que o grupo está pronto para trocar os “corpos de israelitas mortos em troca dos nossos próprios mártires, mas precisamos de tempo para exumar estes corpos”.

“A ocupação israelense insiste que ainda mantemos mulheres e crianças, mas já libertamos todas elas”, disse ele.

Reportando a partir de Doha, Ali Hashem da Al Jazeera disse: “Dado o facto de que as exigências estão agora a mudar, os israelitas exigem que o Hamas liberte as mulheres soldados.”

“Para o Hamas, isso tem um preço diferente”, disse ele, referindo-se ao acordo anterior de três prisioneiros palestinos libertados para cada prisioneiro mantido em Gaza no âmbito da trégua de uma semana que terminou na manhã de sexta-feira. “A questão principal é também que o Hamas desde o início ofereceu tudo por todos – os cativos israelitas por todos os prisioneiros palestinianos em Israel.

“Agora, enfrentamos este impasse com a retirada dos israelitas. Isso não significa que as negociações estejam chegando ao fim. Pode haver outra mediação e novas ideias de diferentes partes”, afirmou.

A trégua temporária entre Israel e o Hamas ruiu depois que os mediadores não conseguiram estendê-la. A pausa humanitária resultou na libertação de 80 cativos israelitas em troca de 240 prisioneiros palestinianos.

Israel e o Hamas trocaram culpas pelo colapso da trégua.

Macron no Catar

Entretanto, o presidente francês, Emmanuel Macron, disse que a França está “muito preocupada” com a retoma da violência em Gaza, quando desembarcou no Qatar no sábado para ajudar a dar início a uma nova trégua.

Macron disse numa conferência de imprensa na cimeira climática COP28 no Dubai que a situação exigia a duplicação de esforços para obter um cessar-fogo duradouro e a libertação de todos os cativos.

Ele também instou Israel a esclarecer os seus objetivos em relação ao Hamas.

“Estamos num momento em que as autoridades israelitas devem definir com mais precisão os seus objectivos e a sua meta final: a destruição total do Hamas – alguém pensa que é possível? Se for esse o caso, a guerra durará 10 anos”, disse ele.

“Não haverá segurança duradoura para Israel na região se a sua segurança for alcançada à custa das vidas palestinas e, portanto, do ressentimento da opinião pública na região. Sejamos coletivamente lúcidos”, acrescentou Macron.

Pessoas cantam slogans em um comício pró-Palestina em Paris no sábado [Thomas Padilla/AP]

Questionado sobre uma resposta a essas observações, Mark Regev, conselheiro sénior de Netanyahu, disse aos jornalistas que Israel não quer ver civis de Gaza apanhados no fogo cruzado à medida que as batalhas recomeçam.

“Israel tem como alvo o Hamas, uma organização terrorista brutal que cometeu a violência mais horrível contra civis inocentes. Israel está a fazer um esforço máximo para salvaguardar os civis de Gaza”, disse Regev.

Acampamento de Jabalia atingido novamente

Mas o número de mortos civis continua a aumentar no enclave.

Pelo menos 100 palestinos foram mortos por ataques aéreos israelenses no campo de refugiados de Jabalia, no norte da faixa, no sábado. As equipes de resgate usaram as próprias mãos para cavar os escombros em busca de sobreviventes.

As autoridades palestinas disseram que pelo menos 240 pessoas foram mortas desde que os bombardeios recomeçaram na manhã de sexta-feira.

Fadel Naim, médico-chefe do Hospital Al-Ahli Arab, na cidade de Gaza, disse que seu necrotério recebeu 30 corpos desde a manhã de sábado, incluindo sete crianças.

“Os aviões bombardearam nossas casas. Três bombas, três casas destruídas”, disse Nemr al-Bel, de 43 anos, à agência de notícias Agence France-Presse, acrescentando que contabilizou 10 mortos na sua família e “mais 13 ainda sob os escombros”.

As Nações Unidas estimam que pelo menos 1,7 milhões de pessoas em Gaza – 80% da sua população – foram deslocadas desde o início da guerra, em 7 de Outubro.

Desde então, a campanha israelita em Gaza matou mais de 15 mil pessoas, a maioria delas civis. Em Israel, o número oficial de mortos é de cerca de 1.200.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button